Peça do mês de Novembro de 2016

Junta de Freguesia de Rio de Mouro
19 Novembro, 2016
Peça do Mês de Dezembro de 2016
1 Dezembro, 2016

Peça do mês – Novembro
Contador Indo-português
Pau-santo e marfim
Século XVIII
117 cm x 65,5 cm x 35,3 cm
CP – MA
Inv. Nº 84.711


A peça do mês de Novembro, é uma peça de mobiliário do século XVIII, um contador Indo-português. Na sua origem, o contador era uma caixa com gavetas, onde se guardavam diversos documentos e valores e que se colocava em cima de uma mesa ou de um estrado. O contador que apresentamos é em pau-santo com embutidos e aplicações em marfim, de estilo orientalizante, possuindo carrancas, arabescos e rosáceas.
Esta peça de arte decorativa é composta no corpo superior por uma caixa com dez gavetas, está apoiada numa trempe, com a mesma decoração, que se separa deste. De requintado fabrico, os contadores em pau-santo são típicos dos séculos XVII e XVIII. Este tipo de contadores indo-portugueses são as peças mais usuais, no mobiliário luso-oriental.
Estes contadores eram originários desde Damão, Goa até Cochim, como também na zona da dominação mongólica. Outra das hipótese é que, este, e outros contadores, podem ter sido realizados em Portugal, obviamente produzido por artífices especializados das zonas anteriormente referidas. Assim evitava-se o transporte e o seu encargo, tornando o seu preço mais acessível. Os portugueses instalaram-se na Índia após a chegado de Vasco da Gama a Calecute, em 1498, sendo o primeiro povo europeu a realizar este feito. Com o intuito de estabelecer o seu domínio económico, oficializaram-no com a criação de um estado soberano, Goa, em 1512. Os territórios a cargo da governação portuguesa passaram a designar-se de Estado Português da Índia, mas com o surgimento de novos inimigos, durante a dinastia filipina, ocorreu a decadência do domínio português no Oriente. É importante referir ainda, que os territórios geridos pelos portugueses tornaram-se importantes centros religiosos e culturais, o que proporcionou uma criação artística extremamente criativa e original, como se pode constatar neste contador.


Foto – Ana Bento